Boxe londrinense perde mestre Miguel de Oliveira

O treinador de boxe londrinense, Miguel de Oliveira, faleceu ontem (30/09), aos 66 anos de idade, vítima de complicações pulmonares e renais. Segundo o site Londrix, o técnico estava internado há 60 dias em Unidade de Terapia Intensiva.

Mestre Miguel de Oliveira veiou a Londrina em 1964, a passeio, mas resolveu fixar residência na cidade. Lutador de boxe amador, em 1975 foi convidado pelo sargento Maurício Augustinho Pereira, aficcionado pelo esporte, a difundir a prática do boxe entre os londrinenses. Neste rumo, fundou sua própria academia e em 1980 firmou parceria com o LEC (Londrina Esporte Clube), passando a treinar atletas em ginásio instalado nas dependências do Estádio Vitorino Gonçalves Dias.

Além de ter revelado diversos pugilistas, o professor Miguel de Oliveira também promoveu campeonatos e lutas profissionais no Ginásio Moringão. Seu trabalho será mantido pelo filho e boxeador, Cesar de Oliveira. O corpo do “Rei do box londrinense” foi sepultado nesta quinta-feira (1º/10) no Cemitério João XXIII, em Londrina.

Um pouco da história do querido treinador pode ser conferida aqui mesmo, no Blog O GARGALO, no post “Academia do mestre Miguel: reduto do Boxe em Londrina”, que traz entrevista concedida por ele no início de 2008 para então estudante do 4º ano de Jornalismo da UEL (Universidade Estadual de Londrina), Mariana Fabre. O post é um dos mais acessados deste Blog, com 764 visitas desde que foi publicado em 9 de maio de 2008.

Published in: on 01/10/2009 at 11:27 AM  Deixe um comentário  
Tags: ,

Academia do mestre Miguel: o reduto do Boxe em Londrina

Esporte que já foi marginalizado, agora é a opção de universitários, médicos, engenheiros e advogados em busca de melhor condicionamento físico

Por Mariana Fabre

Quando se fala em boxe, normalmente as primeiras imagens que se têm são de Rock Balboa. Cenas do lutador subindo a escadaria do museu de arte da Filadélfia ou erguendo os braços após mais uma vitória foram imortalizadas nas telas de cinema. Mas, na vida real, vencer como atleta de boxe não é tão fácil assim, principalmente no Brasil. A falta de incentivo ao esporte faz com que muitos atletas nem cheguem ao boxe profissional.

Em Londrina, a única academia especializada em boxe é comandada pelo treinador Miguel de Oliveira. O mestre Miguel, como é chamado pelos alunos, começou a lutar boxe no final da década de 50 e há 40anos atua do lado de fora dos ringues preparando atletas para a luta.

Segundo o treinador, a rotina da maioria dos atletas de boxe é muito difícil, pois eles têm que dividir o tempo entre trabalho, estudos e treino. Entretanto, as dificuldades não impediram que Edílson Pereira vencesse no boxe. Além de ser o atual campeão brasileiro na modalidade amador, o atleta também se formou em Educação Física e hoje trabalha como auxiliar técnico na academia, onde deu seus primeiros socos. A rotina de Edílson está inteiramente ligada ao esporte que ama. Ele conta que trabalha como auxiliar na academia do mestre Miguel no período da manhã, à tarde sobe no ringue para treinar e, à noite, ainda dá aula de boxe em outras academias esportivas da cidade.

A academia comandada por Miguel de Oliveira ainda fica no pequeno ginásio fundado na década de 80, embaixo da arquibancada do Estádio Vitorino Gonçalves Dias. Mas, se o local de treinamento continua o mesmo, a popularidade do esporte mudou muito desde então: atualmente, Miguel treina 200 pessoas em sua academia.

Mestre Miguel relata que não foi só a popularidade do esporte que mudou, mas também o perfil de quem treina boxe. Se antes o esporte era marginalizado, hoje em dia é praticado por médicos, engenheiros, advogados e muitos universitários. No entanto, esses novos adeptos do boxe nem sempre almejam a carreira profissional. A maioria deles encontra no esporte uma forma de melhorar o preparo físico. Miguel de Oliveira explica que para ser boxeador é preciso ter muita dedicação. “Para ser lutador de boxe são necessários 5 esses: Saúde, porque quem não tem saúde não consegue praticar esporte; Sabedoria, porque um burro não aprende boxe; Soco, que precisa ser forte; Saco, que é a fibra inquebrantável; e Sorte, sem a qual a gente não consegue nada”, finaliza o treinador.

Published in: on 09/05/2008 at 4:15 AM  Comments (10)  
Tags: ,